Blusa Formosa I

A estamparia manual acarreta vários constrangimentos ou condicionantes que podem ser vistos como limitações ou, por outro lado, como “desbloqueadores” de criatividade. Falo muitas vezes disto nos workshops pois é algo preponderante de perceber e aceitar para não gerarmos expectativas erradas em torno de um qualquer projecto. Não adianta pensarmos que o trabalho vai resultar numa impressão impecavelmente “limpa” e “geometricamente” perfeita pois a beleza da estamparia manual está mesmo na imprevisibilidade, na imperfeição ou no “erro”.

O meu último projecto surge no seguimento do lançamento do II Kit DIY Costura Portuense do qual falarei no próximo post, embora possam já espreitar no website do Atelier de Costura Portuense. Trata-se de uma blusa de Primavera à qual se chamou Blusa Formosa. Como não podia deixar de ser, optei por fazer uma estampagem manual no tecido escolhido para a sua construção.

A paleta de cores é sempre uma “dor de cabeça” para mim, limitando-me, na maioria das vezes a uma ou duas cores. Desta vez, decidi ser mais arrojada e fui para as  quatro cores! Para compensar esta complexidade, escolhi uma técnica bastante simples, carimbos em espuma EVA. Comecei por fazer alguns esboços de formas aleatórias, algumas depois ampliadas e recortadas na espuma, ganhando uma expressividade diferente do desenho no papel.

Depois da paleta escolhida, toca a estampar…cor por cor, sem pressas. A sobreposição de cores vai-nos surpreendendo pois uma paleta de quatro cores logo se converte em muitas mais! Com o processo de estamparia concluído e deixando passar o tempo de maturação das tintas, passámos à execução da peça com a ajuda do manual do kit. No próximo artigo mostrarei o resultado final!